Café Philo Virtual: Narrativas do Fim

Os encontros mensais de Café philo estão de volta. Agora em formato de live! Participe

Data: 29/10
Local: Youtube Canal – Aliança Francesa de Curitiba e Facebook
Horário: 19h30
Tema: O fim do mundo, castigo ou dádiva
Palestrantes: Alex Villas Boas (PUCPR/UCP) & Rudolf Von Sinner (PUCPR)
Mediação: Cesar Candiotto (PUCPR)
Apoio: PPGF-PUCPR

Justificativa.

Nas últimas décadas o debate sobre o fim tem ganhado uma profusão de narrativas filosóficas, estéticas, científicas, teológicas e literárias. É certo que essa discussão não é nova. Encontramos esses discursos desde os mitos (pré-colombianos, gregos etc), passando por textos bíblicos que esboçam os últimos eventos da história e do mundo. Ainda que os gregos não acreditassem num começo ou num fim absoluto, a cultura ocidental está marcada, sobretudo na religião judaico-cristã, pela ideia do “apocalipse”, palavra que vem do grego e significa “revelação”. A Bíblia judaico-cristã fala sobre o fim dos tempos tanto no Velho como no Novo Testamento. No Antigo testamento, temos a figura do profeta Daniel, que através dos seus sonhos e visões profetiza sobre o final dos tempos. O Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito provavelmente por João, texto incontornável quando pensamos na inevitabilidade do fim, nos apresenta uma perspectiva  aterrorizante: o fim será, como num filme catastrófico-diabólico, um grande terror, pois naqueles dias, como escreveu João: “as pessoas vão procurar a morte e não a encontrarão. Vão desejar morrer, mas a morte fugirá delas!” Já pensou no fim sem morte?

Soma-se a essas narrativas religiosas a profusão de obras literárias sobre o fim, como a excelente “A Estrada” de Cormac McCarthy e uma inesgotável produção cinematográfica que nos diverte e nos apavora. O fim será causado por um vírus?  Ou serão as máquinas exterminadoras de humanos que decretarão o fim das nossas vidas? Sobrarão somente os zumbis e as baratas? Ou seremos todos dizimados em função de uma grande crise climática? Ou, ainda, será um asteroide que nos esmagará? Antes disso, vamos nos autodestruir pela ciência e pela guerra nuclear? Opções e teses para o fim não acabam nunca.

Essas diversas teorias de uma inevitável “colapsologia”, apoiadas em estudos sobre questões climáticas, escassez energética, penúria de alimentos e consequências limítrofes da ciência e da técnica indicam que o fim do mundo é uma questão de tempo. Todavia, de modo geral, qual o sentido e o alcance epistemológico e ético dessas diferentes teorias: o fim – o apocalipse –  seria causado pelo comportamento “pecaminoso”, pelo consumismo irrefreável da humanidade, pela nossa ambição ou seria tão somente uma lei da própria existência?

Sendo inevitável, como devemos nos preparar para o fim? Não apenas da morte, como dizia Montaigne, mas para o fim de tudo.

O café philo não dará nenhuma resposta absolutamente certa sobre isso, não incentivará ninguém a construir um abrigo nuclear ou, ainda, a rezar. Todavia, aqui no café philo da Aliança Francesa, seguimos com Sêneca sabendo que o mais importante não é o fim em si mesmo, mas a determinação para viver a jornada da vida.

Café Philo Virtual: Narrativas do Fim

Os encontros mensais de Café philo estão de volta. Agora em formato de live! Participe

Data: 27/11
Local: Youtube Canal – Aliança Francesa de Curitiba e Facebook
Horário: 19h30
Tema: O feminismo e o fim da mulher.
Palestrantes: Camila Batista (PUCPR) & Ana Paula Martins de Souza (PUCPR)
Curador: Ericson Falabretti
Apoio: PPGF/PUCPR

Justificativa.

Nas últimas décadas o debate sobre o fim tem ganhado uma profusão de narrativas filosóficas, estéticas, científicas, teológicas e literárias. É certo que essa discussão não é nova. Encontramos esses discursos desde os mitos (pré-colombianos, gregos etc), passando por textos bíblicos que esboçam os últimos eventos da história e do mundo. Ainda que os gregos não acreditassem num começo ou num fim absoluto, a cultura ocidental está marcada, sobretudo na religião judaico-cristã, pela ideia do “apocalipse”, palavra que vem do grego e significa “revelação”. A Bíblia judaico-cristã fala sobre o fim dos tempos tanto no Velho como no Novo Testamento. No Antigo testamento, temos a figura do profeta Daniel, que através dos seus sonhos e visões profetiza sobre o final dos tempos. O Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito provavelmente por João, texto incontornável quando pensamos na inevitabilidade do fim, nos apresenta uma perspectiva  aterrorizante: o fim será, como num filme catastrófico-diabólico, um grande terror, pois naqueles dias, como escreveu João: “as pessoas vão procurar a morte e não a encontrarão. Vão desejar morrer, mas a morte fugirá delas!” Já pensou no fim sem morte?

Soma-se a essas narrativas religiosas a profusão de obras literárias sobre o fim, como a excelente “A Estrada” de Cormac McCarthy e uma inesgotável produção cinematográfica que nos diverte e nos apavora. O fim será causado por um vírus?  Ou serão as máquinas exterminadoras de humanos que decretarão o fim das nossas vidas? Sobrarão somente os zumbis e as baratas? Ou seremos todos dizimados em função de uma grande crise climática? Ou, ainda, será um asteroide que nos esmagará? Antes disso, vamos nos autodestruir pela ciência e pela guerra nuclear? Opções e teses para o fim não acabam nunca.

Essas diversas teorias de uma inevitável “colapsologia”, apoiadas em estudos sobre questões climáticas, escassez energética, penúria de alimentos e consequências limítrofes da ciência e da técnica indicam que o fim do mundo é uma questão de tempo. Todavia, de modo geral, qual o sentido e o alcance epistemológico e ético dessas diferentes teorias: o fim – o apocalipse –  seria causado pelo comportamento “pecaminoso”, pelo consumismo irrefreável da humanidade, pela nossa ambição ou seria tão somente uma lei da própria existência?

Sendo inevitável, como devemos nos preparar para o fim? Não apenas da morte, como dizia Montaigne, mas para o fim de tudo.

O café philo não dará nenhuma resposta absolutamente certa sobre isso, não incentivará ninguém a construir um abrigo nuclear ou, ainda, a rezar. Todavia, aqui no café philo da Aliança Francesa, seguimos com Sêneca sabendo que o mais importante não é o fim em si mesmo, mas a determinação para viver a jornada da vida.

Café Philo Virtual: Narrativas do Fim

Os encontros mensais de Café philo estão de volta. Agora em formato de live! Participe

Data: 25/09
Local: Youtube Canal – Aliança Francesa de Curitiba e Facebook
Horário: 19h30
Tema: A Pandemia e o fim da vida.
Palestrantes: Etiane Caloy (PUCPR); Adriana Mocelim (PUCPR) & Wilson Maske (PUCPR)
Curador: Cesar Candiotto
Apoio: PPGF/PUCPR

Justificativa.

Nas últimas décadas o debate sobre o fim tem ganhado uma profusão de narrativas filosóficas, estéticas, científicas, teológicas e literárias. É certo que essa discussão não é nova. Encontramos esses discursos desde os mitos (pré-colombianos, gregos etc), passando por textos bíblicos que esboçam os últimos eventos da história e do mundo. Ainda que os gregos não acreditassem num começo ou num fim absoluto, a cultura ocidental está marcada, sobretudo na religião judaico-cristã, pela ideia do “apocalipse”, palavra que vem do grego e significa “revelação”. A Bíblia judaico-cristã fala sobre o fim dos tempos tanto no Velho como no Novo Testamento. No Antigo testamento, temos a figura do profeta Daniel, que através dos seus sonhos e visões profetiza sobre o final dos tempos. O Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito provavelmente por João, texto incontornável quando pensamos na inevitabilidade do fim, nos apresenta uma perspectiva  aterrorizante: o fim será, como num filme catastrófico-diabólico, um grande terror, pois naqueles dias, como escreveu João: “as pessoas vão procurar a morte e não a encontrarão. Vão desejar morrer, mas a morte fugirá delas!” Já pensou no fim sem morte?

Soma-se a essas narrativas religiosas a profusão de obras literárias sobre o fim, como a excelente “A Estrada” de Cormac McCarthy e uma inesgotável produção cinematográfica que nos diverte e nos apavora. O fim será causado por um vírus?  Ou serão as máquinas exterminadoras de humanos que decretarão o fim das nossas vidas? Sobrarão somente os zumbis e as baratas? Ou seremos todos dizimados em função de uma grande crise climática? Ou, ainda, será um asteroide que nos esmagará? Antes disso, vamos nos autodestruir pela ciência e pela guerra nuclear? Opções e teses para o fim não acabam nunca.

Essas diversas teorias de uma inevitável “colapsologia”, apoiadas em estudos sobre questões climáticas, escassez energética, penúria de alimentos e consequências limítrofes da ciência e da técnica indicam que o fim do mundo é uma questão de tempo. Todavia, de modo geral, qual o sentido e o alcance epistemológico e ético dessas diferentes teorias: o fim – o apocalipse –  seria causado pelo comportamento “pecaminoso”, pelo consumismo irrefreável da humanidade, pela nossa ambição ou seria tão somente uma lei da própria existência?

Sendo inevitável, como devemos nos preparar para o fim? Não apenas da morte, como dizia Montaigne, mas para o fim de tudo.

O café philo não dará nenhuma resposta absolutamente certa sobre isso, não incentivará ninguém a construir um abrigo nuclear ou, ainda, a rezar. Todavia, aqui no café philo da Aliança Francesa, seguimos com Sêneca sabendo que o mais importante não é o fim em si mesmo, mas a determinação para viver a jornada da vida.

Portas Abertas Virtuais

PORTAS ABERTAS VIRTUAIS

Esta edição das portas abertas será dedicada a você #emcasa que quer conhecer melhor nossa metodologia de ensino virtual, nossas atividades culturais e todos os benefícios que você pode ter ficando conectados com a Aliança Francesa (AF) de Curitiba.

Nós somos um centro cultural, reconhecido pelo Governo Francês, que atua em Curitiba há 75 anos. Carregamos a expertise do ensino da língua francesa com inovação em nossa pedagogia!

Na semana das portas abertas, você vai imergir na língua e na cultura francesa! Confira as novidades por categoria:

PEDAGÓGICO:

  • Aulas demonstrativas: teste nossa metodologia de ensino fazendo uma aula demonstrativa.
  • Exames: Entenda como funcionam os exames de proficiência: lembramos que AF é o único centro de Curitiba a aplicar as provas oficiais.
  • Teste de nível: teste seu nível de francês.
  • Bolsas: concorra e ganhe uma bolsa 100%.

CULTURA:

  • Talks: participe de nossas LIVES sobre moda, cultura francesa, histórias em quadrinhos, etc.
  • Literatura: leia ou releia um livro em francês.
  • Gastronomia: realize uma receita a distância ou aprenda mais sobre cervejas especiais.

INTERCÂMBIO:

  • Entenda como você pode estudar na França com a agencia governamental francês de promoção do ensino superior, Campus France.
  • Converse com quem já estudou na França e já emigrou no Québec.

SORTEIO DE BOLSAS – 100%:

Teremos dois sorteios para bolsas de estudos 100% durante a semana. As bolsas são válidas para alunos residentes em Curitiba e apenas para nível Iniciante – A1.1.

Confira o REGULAMENTO

PALESTRANTES:

Confira quem são nossos convidados especiais:

  • Rog Vasques
  • Ricardo Manhães
  • Alain Tissier
  • Milene Aguiar
  • Daniel Wolff

REALIZE SUA INSCRIÇÃO GRATUITA AQUI: JE PARTICIPE

Festival Canção AF

O que é o Festival da Canção AF?

Criado em Porto Alegre em 2008, o Festival da Canção AF se tornou referência em música contemporânea francófona. Organizado em três etapas, candidatos de todo o Brasil têm a chance de interpretar canções em francês e concorrer a uma viagem com acompanhante para Paris. As inscrições são gratuitas e abertas a cantores amadores ou profissionais!

Festival edição 2020

Em 2020, a Aliança Francesa completa 135 anos de presença no Brasil. Para além do ensino de idioma, a Aliança Francesa oferece um rico leque de atividades culturais. A língua francesa está, naturalmente, no centro de sua programação, e desejamos celebrá-la por meio do Festival da Canção AF.

A novidade dessa 13ª edição é a realização do Festival da Canção AF pela primeira vez de forma virtual, através de transmissão ao vivo nas redes sociais. É uma iniciativa inédita da Aliança Francesa que, em razão da atual pandemia de Covid-19 e as recomendações de segurança das autoridades sanitárias e da OMS, decidiu experimentar esse novo formato artístico, em sintonia com as tendências atuais. Mantemos assim o Festival, que já faz parte do calendário das Alianças Francesas no Brasil, garantido a segurança dos candidatos e do nosso público.

Saiba Mais

Confira como participar no site do Festival: festivalcançaoaf.com.br
Bonne chance à tous!

Festa da Música

Para comemorar a Fête de la musique 2020 (Festa da Música 2020), as Alianças Francesas da América Latina e do Caribe decidiram afinar juntos seus instrumentos para oferecer uma edição virtual especial. O evento reunirá cerca de cinquenta artistas de 22 países e uma dezena de artistas franceses em uma sinfonia de vídeos feitos em confinamento.

Essa jornada única de alianças sonoras atravessa as fronteiras para levar o público à descoberta do novo cenário latino-americano e caribenho. Muitos idiomas e um número ainda maior de notas musicais estarão em sintonia no domingo, 21 de junho, nas redes sociais das Alianças Francesas participantes na região.

  • 6 horas de festival de música virtual
  • 22 países
  • Mais de 50 artistas
  • 200 Alianças Francesas
  • 21 de junho, de 17h às 23h

Confira a programação completa nas redes sociais: CLIQUE AQUI

FrançaisFlix – Em Toda Parte

O curso temático FrançaisFlix é uma novidade da AF Curitiba.

Além de focar na conversação e debater sobre aspectos culturais extraídos dos filmes assistidos, ele também oferece uma revisão de pontos gramaticais da língua francesa. Por tanto, você não só vai praticar a língua, mas também vai sanar suas dúvidas gramaticais que, de repente, ficaram para trás.

Toda semana, alunos do curso selecionam um filme.

Clique aqui para mais detalhes: FRANÇAISFLIX

Marco Ngoni – Concerto + bate-papo

O músico franco-tunisiano Marco Ngoni fará um concerto e bate-papo às 18h (UTC: -3H) no canal da Aliança Francesa Salvador no YouTube – https://youtu.be/5PTitdyvc4Y – com participação da musicista Sandra Ellama (FR).
.
O evento é promovido pela Aliança Francesa Brasil, conta com mediação de Mamadou Gaye e tem por detalhe especial a apresentação da takamba, instrumento também conhecido pelo nome de n’goni. Tradicionalmente tocado em homenagem a reis e rainhas na época do Império do Mali, permaneceu através de casamentos e batismos da cultura mandinga – além de ser, por excelência, o instrumento utilizado por griôs da África do Oeste.
.
Se interessou? O link está na nossa bio e basta clicar “ativar lembrete” no YouTube para não perder esse encontro! 🥰 #ProfitezChezVous
.
SERVIÇO |
O que: Concerto e bate-papo com Marco Ngoni
Quando: 12 de junho (sexta-feira), das 18h às 20h (UTC: -3H)
Onde: Canal da Aliança Francesa Salvador – https://youtu.be/5PTitdyvc4Y
Quanto: gratuito
Mediação: Mamadou Gaye
Participação: Sandra Ellama (FR)
Observação: O bate-papo será realizado em francês com tradução para o português.

FrançaisFlix – Mauvaises Herbes

Antes de mais nada, vale lembrar que o curso temático FrançaisFlix é uma novidade da AF Curitiba. Além de focar na conversação e debater sobre aspectos culturais extraídos dos filmes assistidos, ele também oferece uma revisão de pontos gramaticais da língua francesa. Por tanto, você não só vai praticar a língua, mas também vai sanar suas dúvidas gramaticais que, de repente, ficaram para trás. O filme FrançaisFlix  da vez é Mauvaises Herbes

COMO FUNCIONA FRANÇAIS-FLIX?

Agora, nós vamos explicar como tudo isso vais funcionar:
Em primeiro lugar
, você assiste ao filme em casa;
Em segundo lugar, você se inscreve no curso FrançaisFlix – Mauvaise Herbes. Logo depois , você será convidado a entrar em uma sala de aula, virtual, para conversar, debater, interagir com seus colegas e Professor, sobre os temas relacionados ao filme.
Em terceiro lugar, você pratica seu francês e revisa pontos específicos da língua dos níveis B1 & B2.

Em suma, para participar é bem simples e, melhor, agora você pode se inscrever no curso completo ou contratar uma aula avulsa, clicando AQUI

Por último, ressaltamos que os encontros ocorrem toda quarta-feira a partir das 18h e que o Prof. Ronie trabalha um filme francês escolhido juntamente com os alunos; ou seja, eles são os primeiros protagonistas deste curso 🙂

Você pode se inscrever a qualquer momento. Une o útil ao lúdico!

Sobre o FILME FrançaisFLix Mauvaises Herbes: confira o que preparamos para você ficar por dentro do assunto:

SINOPSE DE MAUVAISES HERBES (Sementes podres)

Fonte: Netflix

COMÉDIA, DRAMA 2018| França/Bélgica | 1h45 Legendado | Classificação: 16

Atormentado pelo passado, um trapaceiro que vive de pequenos golpes com sua mãe adotiva encontra a redenção como mentor de grupo de estudantes com dificuldades

Direção: Kheiron

TRAILER DE MAUVAISES HERBES